Hiperautomação: por que sua empresa deve conhecer essa tendência

Ao final de cada ano, a Gartner divulga uma lista com as principais tendências tecnológicas para os próximos meses, com o objetivo de oferecer aos CIOs uma compreensão mais precisa sobre cada uma delas e auxiliá-los na organização do planejamento estratégico. Para 2020, um dos com mais destaque foi a Hiperautomação (Hyperautomation).

Como se trata de um conceito relativamente novo, é comum haver dúvidas sobre seu significado e os benefícios que pode trazer para as organizações. Foi pensando nisso que criamos este artigo, que aborda o tema e o relaciona com ferramentas de CRM, capazes de gerenciar a relação com o cliente a partir da automatização, integração e organização dos processos, ajudando a reduzir os custos e aumentar a lucratividade. Continue o texto e saiba mais sobre o assunto!

O que é Hiperautomação?

Antes da definição, é importante compreender que a utilização de tecnologias deve ter como principal foco as pessoas, já que as impacta diretamente. Podemos citar colaboradores, consumidores, parceiros de trabalho e a sociedade em geral.

Nesse caso, os recursos devem ser capazes de realizar diversas tarefas operacionais sem intervenção humana, e o caminho para isso é a Hiperautomação. Na prática, trata-se da junção de conhecimentos e recursos tecnológicos para automatizar as atividades diárias e torná-las ágeis como o mercado atual exige.

A tendência começou com a automação de processos robóticos (RPA, sigla para Robotic Process Automation), que consiste na aplicação de tecnologia regida pela lógica de negócios e insumos estruturados visando automatizar os processos de negócios. Porém, a RPA por si só não é Hiperautomação.

Ela não se refere somente à variedade de tecnologias que podem ser utilizadas, mas também a todas as etapas da automação, que são descobrir, analisar, projetar, medir, monitorar e reavaliar. Portanto, um dos principais focos do conceito é entender a amplitude das ferramentas disponíveis, como elas se relacionam entre si e como podem ser coordenadas e combinadas.

Isso forma um conjunto híbrido de ferramentas RPA, machine learning, inteligência artificial e iBPMS (ferramentas de gerenciamento de processos de negócios inteligentes), os quais permitem que o procedimento de entender e desenvolver automações atenda às reais necessidades do modelo de negócio e traga mais valor e resultado para a empresa.

É importante frisar que machine learning e inteligência artificial são fundamentais para a Hiperautomação, já que muitas vezes a automação por si só não é capaz de solucionar os problemas dos processos, visto que muitas vezes são complexos e precisam de adaptação a comportamentos diferenciados. Ou seja, devem ser máquinas capazes de cuidar dos detalhes que vêm antes, durante e depois da conclusão das tarefas, o que significa capacidade de gestão para todas as etapas citadas.

Como a Hiperautomação funciona?

Essa tecnologia foi criada para melhorar os processos de uma empresa com o uso da Inteligência Artificial em conjunto com máquinas, realizando tarefas com muito mais rapidez e menor chance de erro. Se a automação usa um braço robótico para fazer algum trabalho, podemos dizer que a Hiperautomação chega a um novo nível, usando o cérebro desse robô.

Qualquer processo é um cenário propício para a adoção da Hiperautomação e com sua ajuda, a força de trabalho humana pode se livrar de tarefas comuns e focar em aprimorar suas habilidades. Isso cria um ambiente de trabalho propício para lidar com atividades de níveis mais altos e que exigem mais expertise de seus funcionários.

Por que Hiperautomação é importante para uma empresa?

Essa tecnologia contribui para um maior envolvimento da força de trabalho, pois permite que todos na organização contribuam para a automação. Isso quer dizer que a Hiperautomação envolve não apenas os desenvolvedores e testadores tradicionais de RPA, mas também especialistas no assunto, analistas de negócios e usuários.

Assim, há uma maior integração da mão de obra humana com o digital, já que a tomada de decisão por mãos humanas é essencial, o que propicia um trabalho muito mais rápido e motivador.

Hiperautomação nos negócios

Nos negócios, a Hiperautomação não deve ser vista apenas como uma potencial oportunidade, mas sim como uma mudança inevitável. Empresas que já investem na tecnologia entendem que os benefícios de otimizar tarefas e processos através de robôs tem retorno positivo. Alguns exemplos práticos são a automação de ordens de pagamento, mudança de dados cadastrais, gestão de estoque e mais.

As que ainda não investiram nessa tecnologia podem achá-la cara no início, mas devem lembrar que a Hiperautomação é responsável por resultados mais rápidos e melhores, além de poupar o trabalho humano exaustivo com uma tecnologia inteligente o suficiente para entregar tarefas da forma certa e rápida.

CRMs podem contribuir para a Hiperautomação?

A automação de processos de vendas e atendimento ao cliente já é uma realidade em grande parte das empresas. Para se ter uma ideia, uma pesquisa realizada pela Oracle com 800 executivos de marketing e vendas mostrou que 80% deles afirma já utilizar chatbots para se comunicar com os consumidores ou pretende fazer isso ainda em 2020.

Outro dado interessante é do relatório The Future of Jobs, publicado pelo Fórum Econômico Mundial, o qual aponta que até 2022 serão criados 133 milhões de novos postos de trabalho que integram humanos e máquinas.

A inteligência artificial é indispensável para a Hiperautomação, pois sem ela seria impossível ocorrer o machine learning e a implementação de novas tecnologias. Assim que essa AI é aplicada no processo, pode-se otimizar e aprimorar recursos de monitoramento, análise, auditoria, teste e mais.

Na prática, os bots pensam e aprendem sozinhos onde buscar a informação necessária para completar suas tarefas de forma correta, para melhor eficiência, produtividade e precisão, criando um efeito dominó que beneficia toda a empresa.

Nesse cenário, uma parte crucial de uma estratégia inteligente de vendas e relacionamento — a qual envolve negócios, clientes fidelizados, relações vantajosas e resultados — é a utilização de um Customer Relationship Manager (CRM) que integre todas as táticas realizadas pela empresa e traga insights importantes para a tomada de decisão.

Quando se fala em CRM, é comum que alguns associem aos diversos softwares desse nicho. No entanto, o conceito vai além de programas de gestão: trata-se de um conjunto de estratégias, operações e tecnologias (e isso inclui um software) criadas e executadas com o objetivo de otimizar o relacionamento entre uma marca e seus clientes, maximizando os lucros.

Segundo uma pesquisa da Gartner, os diversos sistemas de CRM passaram a ser o maior mercado de software do mundo, avaliado em US$39 bilhões em 2017. Isso se dá pelos inúmeros benefícios que gera para as organizações. Ao utilizar os softwares mais adequados e condizentes com o cenário da Hiperautomação é possível desenvolver processos como:

  • criar um banco com dados importantes de clientes e leads (potenciais clientes);
    desenvolver um sistema eficaz de follow-up e suporte;
  • registrar informações relevantes de leads e clientes em todos os contatos realizados;
  • automatizar atividades de relacionamento e vendas, fazendo com que cada consumidor seja percebido com seu perfil e características individuais, promovendo um relacionamento humanizado que contribui para uma boa experiência;
  • integrar dados úteis para o desenvolvimento de ações e implementação de melhorias que garantem percepções positivas por parte dos clientes, gerando fidelização;
  • reunir o atendimento dos canais de comunicação da empresa, o que inclui SAC, redes sociais, chats e ouvidoria;
    avaliar os processos atuais da organização e obter parâmetros para otimizar aqueles que apresentam falhas e gargalos;
  • conectar as equipes, fazendo com que as áreas atuem em sinergia, considerando os propósitos e metas globais da empresa. Consequentemente, os resultados tornam-se melhores.

Tecnologias que auxiliam a Hiperautomação

Se a Hiperautomação é uma automação inteligente e melhorada, ela só chegou a esse ponto com a ajuda de várias outras tecnologias importantes para seu desempenho e sucesso. Com o uso de RPAs, Bots e Machine Learning é possível atingir o aperfeiçoamento de tarefas que a automação comum não seria capaz de fazer.

Segundo a Gartner, esse processo exige um conjunto certo de ferramentas e tecnologias para seu melhor funcionamento: “Compreender a variedade de mecanismos de automação, como eles se relacionam e como são combinados, é um dos principais focos da Hiperautomação”. Estes são alguns exemplos:

RPA

A RPA, Robotic Process Automation, é uma tecnologia indispensável com a implementação da Hiperautomação. Ela atua como um software de leitura de scripts programados e também executa tarefas predeterminadas e é responsável por demandas de conteúdos repetitivos.

Machine Learning (AI)

A inteligência artificial é indispensável para a Hiperautomação, pois sem ela seria impossível ocorrer o machine learning e a implementação de novas tecnologias. Assim que essa AI é aplicada no processo, pode-se otimizar e aprimorar recursos de monitoramento, análise, auditoria, teste e mais.

Bots

O uso de toda essa inteligência artificial pode ajudar a revelar processos e criar bots automaticamente, aumentando o ritmo de automação em até 5 vezes.

Na prática, os bots pensam e aprendem sozinhos onde buscar a informação necessária para completar suas tarefas de forma correta, para melhor eficiência, produtividade e precisão, criando um efeito dominó que beneficia toda a empresa.

Quer saber mais sobre tecnologia e como ela ajuda a melhorar os processos da sua empresa? Então continue lendo mais artigos como este no nosso blog.

Achou esse artigo útil? Então compartilhe!

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on email
Share on print

Cadastre-se gratuitamente para receber nosso conteúdo