O que é multicloud? Um guia simples para entendimento

Em conteúdos anteriores, abordamos a computação em nuvem, uma das maiores tendências tecnológicas para empresas sob diversos aspectos, como conceito, nuvem híbrida, pública e privada e nuvem distribuída. Este artigo, por sua vez, traz uma explicação mais aprofundada sobre o que é multicloud para que as organizações conheçam a tendência e fiquem cientes das soluções que podem ser utilizadas na operação.

Trata-se de uma abordagem composta por mais de um serviço e de um provedor de nuvem. O objetivo é estruturar o melhor dos mundos conforme SLAs, protocolos de segurança, armazenamento, tempo de atividade para hospedar aplicativos e outros fatores. Em um cenário em que as empresas devem otimizar cada vez mais o seu desempenho, é importante que haja o investimento em novas tecnologias e estratégias como essa que estejam de acordo com as metas, os propósitos e o orçamento de cada negócio.

Pensando em auxiliar nesse processo, trouxemos alguns aspectos relevantes da multicloud para a análise de gestores. Acompanhe o post e saiba mais sobre o assunto!

Como funciona a multicloud?

Como mencionamos, multicloud é um conceito que se refere ao uso de mais de um provedor de serviços de nuvem pública para armazenamento virtual de dados ou recursos de energia de computação, além de outras nuvens privadas e infraestrutura local.

É comum a comparação entre nuvem híbrida e multicloud. No entanto, a primeira se enquadra como uma combinação de serviços entre nuvem privada e pública, ambas sendo integradas por uma camada de software ou plataforma de orquestração. Desse modo, o serviço funciona corretamente de maneira transparente. Já a segunda envolve dois ambientes de nuvem pública, podendo ter também mais um ambiente de nuvem privada.

Em função das diferenças entre os modelos, não devemos nos referir ao multicloud como uma tecnologia em si, mas como uma forma de implementação e gestão da computação em nuvem para empresas. Em contrapartida, a nuvem híbrida não passa de um portfólio tecnológico com serviços à disposição do cliente.

Segundo uma previsão global do IDC para o mundo todo, até 2023 mais de 70% das companhias usarão recursos de plataformas de gerenciamento de múltiplas nuvens como parte dos serviços de nuvem gerenciada para padronizar ferramentas, garantir a qualidade do serviço e permitir a administração da demanda.

Quais são os tipos de serviços de multicloud?

Os provedores de serviços de cloud computing oferecem três tipos de serviços, os quais você vê a seguir.

IaaS – Infrastructure as a Service (Infraestrutura como Serviço)

A IaaS é um modelo de fornecimento de computação em nuvem que permite às empresas utilizar sistemas operacionais, armazenamento e aplicativos sem que precisem comprar, gerenciar ou fornecer suporte à infraestrutura cloud adjunta.

Desse modo, pode reduzir custos com TI, já que não será preciso adquirir hardwares para suas centrais de dados nem manter ou substituir máquinas, além de assegurar tempo de atividade ininterrupto. Ou seja, paga-se apenas pelo que consumir.

Outra grande vantagem desse modelo é a sua escalabilidade, pois, no período de um mês, por exemplo, seu negócio pode requerer alguns servidores virtuais para armazenar poucos dados e ter pouco tráfego enquanto pode pedir o dobro no próximo. Alguns fornecedores de IaaS são Amazon Web Services (AWS), Microsoft Azure, Google Cloud Platform, Oracle e IBM.

PaaS – Platform as a Service (Plataforma como Serviço)

Como o nome sugere, a PaaS se trata de um um ambiente completo de desenvolvido em que se pode criar, hospedar, gerir e otimizar sistemas e aplicativos.

Tudo isso é feito utilizando a infraestrutura na nuvem. Ou seja, os desenvolvedores têm uma infraestrutura completa à disposição sem que sejam necessários altos investimentos. Nesse caso, a vantagem é que a equipe da empresa só precisa se preocupar com a programação do software, pois o gerenciamento, a manutenção e a atualização da estrutura ficam por conta do fornecedor.

Empresas que ficarem em dúvida em relação a outros modelos de nuvem podem optar pela PaaS, desde que contem com um time de desenvolvedores — isso caso seja preciso utilizar uma infraestrutura complexa para executar as tarefas ou se houver uma grande integração com o banco de dados. No entanto, a PaaS não é indicada quando o desempenho geral do software pede algum hardware ou outros aplicativos específicos. Além disso, as empresas também podem enfrentar desafios quando quiserem migrar para outro fornecedor em função do uso de determinadas linguagens.

SaaS — Software as a Service (Software como Serviço)

O SaaS, por sua vez, é um modelo de computação em nuvem que fornece acesso a um software baseado em cloud de um fornecedor. Isso significa que os usuários não instalam os aplicativos em seus dispositivos locais, pois eles residem um uma rede de cloud remota acessada por meio da web ou de uma API.

Na prática, os fornecedores de SaaS disponibilizam às organizações softwares e aplicativos por meio de um modelo de assinatura. Desse modo, elas não precisam gerenciar, instalar ou fazer upgrade de software. Além disso, os dados ficam seguros na nuvem, fazendo com que falhas em equipamentos não resultem em perdas.

Além disso, na SaaS existem as vantagens da escalabilidade e da praticidade. Afinal, todos os processos relacionados aos custos da compra do software e do servidor, além da implementação, são eliminados.

O modelo é bastante recomendado para pequenas empresas, as quais não podem gastar com a compra de licenças, bem como para trabalhos que durem apenas um curto período de tempo e que tenham a necessidade de acesso remoto aos aplicativos, como no caso de softwares de CRM ou de gestão de redes sociais.

Hoje em dia, todo mundo conhece o SaaS, pois sites como o Facebook ou aplicativos como Skype, OneDrive, Google Docs e Office 365 funcionam dessa maneira.

Quais são as vantagens?

Por que uma empresa deve optar pela multicloud? Para começar, um dos principais diferenciais de optar pela estratégia é a flexibilidade para escolher pelos melhores serviços de computação em nuvem do mercado de acordo com as características e as necessidades de cada negócio. Mas as vantagens não param por aí. Confira mais algumas delas na sequência.

Otimização da infraestrutura

A combinação entre diferentes fornecedores e modelos de cloud computing traz, em primeiro lugar, a otimização da infraestrutura de TI, já que os gestores podem optar por diferentes provedores e recursos. Com isso, é possível realizar uma múltipla integração para obter o que há de melhor em cada uma.

Dois exemplos de grandes companhias que utilizam a multicloud são o IFood e a Uber, pois ambas dependem muito desse tipo de serviço com diferentes competências. Por exemplo, enquanto uma interage com o banco de dados, outra é um ambiente de menor investimento que é parte necessária da estrutura tecnológica.

Melhora dos Investimentos

Ao optarem por uma solução multicloud, as organizações podem combinar opções mais competitivas, a partir das opções oferecidas por diferentes provedores. Assim, é possível obter o melhor custo-benefício, fazendo com que os investimentos sejam otimizados e, consequentemente, se reduza custos.

Essa abordagem permite, por exemplo, que se tire proveito de instâncias de VM preemptivas no Google Cloud e de instâncias spot de um concorrente. Desse modo, o negócio adequa seus recursos conforme sua necessidade a um custo reduzido.

Auxílio na recuperação de desastres

Todos os negócios estão sujeitos a falhas dos serviços de TI, o que pode resultar em problemas na continuidade da operação, insatisfação de clientes e prejuízos financeiros. Nesse contexto, soluções de recuperação de desastres minimizam e protegem a empresa de diversas vulnerabilidades, como quedas de energia elétrica, quebra de equipamentos e incidentes naturais.

O multicloud tem muito valor em relação a esse processo. Muitas companhias inovadoras têm, por exemplo, aproveitado um provedor de nuvem como host principal do sistema e outro como secundário. Isso significa que o sistema pode fazer failover de um provedor para outro sem que os usuários finais saibam que o provedor de nuvem back-end foi trocado automaticamente.

Segurança no armazenamento de dados

Com o uso de serviços multicloud, as organizações encontram diversas localidades de armazenamento de dados. Assim, as informações críticas são distribuídas com o objetivo de promover mais segurança.

Oportunidade para melhorar o desempenho

Ao utilizar uma estratégia multicloud, as companhias podem optar pelos serviços de cada provedor conforme as regiões e as zonas de nuvem que estão próximas de seus clientes a fim de minimizar a latência.

Além disso, usar uma combinação de vários provedores de nuvem para atingir velocidade mais rápida vale a pena para melhorar a experiência do usuário nos aplicativos. Aspectos como esse refletem diretamente na otimização do desempenho.

Quais tecnologias na nuvem estão mais em alta do que nunca?

O ano de 2020, marcado pela pandemia do novo coronavírus, foi crucial para a computação na nuvem, pois ela desempenhou um papel estratégico na otimização de soluções de trabalho remoto. Isso permitiu que as organizações integrassem os processos existentes a novas tecnologias cloud para permitir uma maior flexibilidade nesse cenário.

A nuvem tornou-se uma parte essencial da continuidade dos negócios, sendo a chave para desbloquear o crescimento organizacional. Por isso, estima-se que os investimentos mundiais nos serviços aumentem ainda mais nos próximos anos.

Para se ter ideia, uma pesquisa da Gartner apontou que aproximadamente 70% das empresas que atualmente utilizam a cloud computing ainda elevarão seus gastos em resposta à crise sanitária. De acordo com a consultoria, a proporção de investimentos com TI em relação à migração para a nuvem deverá representar 14,2% do mercado total de gastos corporativos com TI em 2024, significando um aumento quando comparado aos 9,1% em 2020.

Nesse contexto, é essencial conhecer as tendências tecnológicas em cloud para direcionar efetivamente o orçamento no presente e também num futuro próximo. Veja as principais delas a seguir.

Nuvem Híbrida

A combinação da nuvem privada e da pública continuará sendo uma das grandes apostas do mercado. Isso se deve aos diversos benefícios, como o suporte a uma força de trabalho remota. Além disso, fornece às empresas a flexibilidade de gerenciar e acomodar facilmente suas equipes em home office com acesso a dados descentralizados.

Portanto, esse ambiente de nuvem híbrida acessível é crucial para otimizar a eficiência e a produtividade em toda a empresa. O Microsoft Azure, por exemplo, oferece diversos produtos e serviços de nuvem híbrida que os negócios podem aproveitar para obter vantagens competitivas.

Arquitetura sem servidor

A arquitetura sem servidor está associada diretamente à computação em nuvem. Isso porque permite que as organizações desenvolvam e executem aplicativos sem gerenciar a infraestrutura física, o que significa que remove a engenharia arquitetônica do processo.

A maior vantagem é que os desenvolvedores não precisam se preocupar com a infraestrutura. Em vez disso, utilizam seu tempo para desenvolver recursos mais importantes para as operações. Por isso, não há dúvida de que sua popularidade também continuará a crescer nos próximos anos.

Inteligência artificial

A computação em nuvem e a inteligência artificial (IA) têm uma relação direta. Enquanto a IA potencializa a cloud computing gerenciando dados, revelando ideias e otimizando fluxos de trabalho, a cloud computing aumenta o impacto e o escopo da IA.

Vale frisar que os serviços em nuvem estão democratizando a inteligência artificial, tornando-a acessível para empresas que não dispõem de grandes orçamentos. Tradicionalmente, investir em IA requer habilidade técnica superior, poder de computação e uma grande quantidade de capital. No entanto, com a tecnologia oferecida por meio de serviços em nuvem, as empresas podem implementar e se beneficiar dela sem fazer um grande investimento inicial.

A combinação de serviços de inteligência artificial e nuvem permite que se obtenha o máximo de ambos os aplicativos. A nuvem fornece uma solução econômica para o hardware e o software que tem um custo alto no local, enquanto o backup e a recuperação constante de dados em um ambiente virtual a tornam uma alternativa confiável para as configurações tradicionais.

Ao mesmo tempo, a IA ajuda a nuvem a gerenciar dados, bem como a obter insights sobre informações que podem ser distribuídas como aprendizado para todo o sistema.

Nuvem humana

A chamada “nuvem humana” se trata de plataformas de talentos que fornecem às empresas acesso sob demanda a uma força de trabalho flexível. Ela desenvolve endemicamente redes baseadas em multidões de trabalhadores e recrutadores, fornecendo a uma organização vários recursos com baixo custo indireto. Com o suporte de consultores, essas plataformas baseadas em cloud oferecem maior conformidade de trabalho, qualidade e serviço ao cliente do que os métodos tradicionais de pessoal.

Cloud Gaming

Nessa outra tendência, os jogos são executados diretamente do servidor. Ou seja, os jogadores não precisam de consoles, porque vão acessar pela internet, assim como já acontece com plataformas como a Netflix.

Além disso, o Luna, da Amazon, disponível apenas nos EUA, está em seus estágios iniciais e é responsivo. Os games em cloud permitem que se jogue em quase todos os dispositivos, mesmo naqueles que não são capazes de executar o jogo devido às suas especificações.

Segurança na nuvem

Gerar insights e agir com base neles entre plataformas requer uma abordagem proativa, equipada com sensibilidade a pontos cegos em potencial. Isso explica por que muitas empresas consideram a segurança o critério mais importante ao escolher um fornecedor de nuvem.

Embora a eficiência da nuvem seja o recurso mais popular, muitas organizações estão percebendo que cortar atalhos torna seus processos vulneráveis a uma infinidade de pontos de entrada discretos para os cibercriminosos. Por isso, o investimento em ferramentas de segurança deve aumentar nos próximos anos.

Orquestração e otimização automatizadas em nuvem

A natureza multifacetada de supervisionar a qualidade e a quantidade de serviços interconectados entre aplicativos é um grande desafio até mesmo para as empresas de TI mais experientes. Por isso, a orquestração e a otimização automatizadas devem estar presentes entre as tendências de tecnologia.

Inclusive, o gerenciamento automatizado de serviços e desempenho deve ser uma das partes principais na escolha de um fornecedor de nuvem, pois as organizações podem precisar lidar com uma centena ou mais de serviços de diferentes provedores.

Crescimento da conteinerização

O crescimento do Kubernetes aumentou amplamente o uso de contêineres na nuvem. Isso está alinhado a outras tendências de tecnologia em nuvem para o presente e para o futuro. Por exemplo, as ferramentas de orquestração automatizam o gerenciamento, a implantação, o dimensionamento e a rede, permitindo o desenvolvimento e a implementação de aplicações de forma mais rápida e barata.

Os contêineres são conhecidos tanto pela agilidade quanto pela portabilidade. Ao construir armazenamentos de dados ou serviços com essa abordagem, os desenvolvedores podem mover com mais eficiência em ambientes multicloud.

Qual o impacto da multicloud nos negócios?

As organizações que investem ou pretendem utilizar a estratégia de multicloud precisam encontrar formas de impulsionar a consistência em ambientes diferentes. Na prática, isso permite que eles sejam gerenciados, monitorados e automatizados a partir de um único dashboard. Outra ação interessante é a divisão por silos, criando transparência em todos os ativos, não importando onde eles residem.

Consequentemente, há mais controle e redução de tempo e esforços com manutenção.

A criação de uma estrutura unificada é essencial para acompanhar o crescente número de recursos em nuvem espalhados por diversos provedores. Empresas que contam com a multicloud, mas a tratam como uma nuvem única para cada linha de negócios, obtêm bons resultados. Por exemplo, o financeiro pode ter aplicativos na nuvem X, enquanto a engenharia está implantando na nuvem Y, e não há polinização cruzada de trabalho e dados. Ou seja, é multicloud sem problemas difíceis.

O que vem pela frente é um cenário corporativo muito mais ágil e automatizado. O multicloud já é uma realidade para muitas companhias, mas também representa novos desafios. São inegáveis, porém, todos os avanços tecnológicos gerados a partir dessas soluções. A pandemia acelerou processos, a concorrência aumentou, e os prazos estão cada vez mais apertados. Olhar para o futuro é agir agora, acompanhe nosso blog e fique por dentro das inovações do mercado.

Achou esse artigo útil? Então compartilhe!

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on email
Share on print

Cadastre-se gratuitamente para receber nosso conteúdo